Fortificar as torres de vento gigantes

O Cabo Sul-Africano é famoso pelas suas 18 rotas oficiais de vinho e duas rotas de brandy, que estão entre as mais cénicas do mundo, apresentando muitos vinhos históricos que remontam há séculos. Pode-se aproveitar o tempo explorando esta magnífica parte da província do Cabo Ocidental da África do Sul e as provas dos seus esplêndidos vinhos e brandies. Mas esta área tem muito mais para oferecer quando falamos de um futuro sustentável. E isso sim, deve ser celebrado.

Teenagers celebrating with colourful confetti on summer road tri

Apesar de ainda depender de combustíveis fósseis, a África do Sul tem criado discretamente um dos planos de energia alternativa mais evoluídos do mundo, construindo silenciosamente capacidade de energia eólica.

Instalado pela empresa espanhola Acciona, o Gouda foi o primeiro parque eólico na África do Sul e é agora um dos maiores naquele país.

Começou a alimentar a rede em 2015 e possui turbinas de uma capacidade unitária de 463 MW fixadas em torres de betão com uma altura de 100 m.

Localizado em Drakenstein, a 100 km a noroeste da Cidade do Cabo, o parque eólico pode produzir todos os anos energia suficiente para cobrir o fornecimento a cerca de 200 mil lares sul-africanos. Isto corresponde a uma produção anual estimada de 423 GWh. Além disso, são evitadas anualmente 406 mil toneladas de emissões de CO2 das centrais de carvão.

Wind4

Este parque eólico foi o primeiro a usar betão produzido localmente, em vez das habituais torres de aço importadas. Foram fornecidas grandes quantidades de produtos Sika para a construção dessas torres de 100 m de altura. Jacques Reinecke, chefe de Energia Renovável da Sika África do Sul, liderou a especificação, a instalação e forneceu formação no local deste projeto.

Wind1

Os produtos Sika usados em grandes quantidades na construção das torres incluíram o Sikadur-31 CF (1 tonelada por torre), o Sealing Backing Cord (22 km) e o SikaGrout-295 ZA (30 tonelada por torre). Cada coluna consiste em quatro segmentos pré-moldados que foram selados e fixados no local. Devido à sua altura extrema, cada torre é composta por quatro colunas de betão pré-moldado de 20m de altura, coladas no local, uma em cima da outra. Um segmento final que transporta a hélice leva as 46 torres a uma altura de 100 m cada.

Wind3

As juntas horizontais nos segmentos da torre foram seladas com Sika EVA Backing Strip. Esta espuma de construção semi-rígida, e de células fechadas, é projetada como um material de suporte de apoio resistente, flexível e resiliente, para selagem de superfície em juntas estruturais com carga elevada. Também pode ser usado como base sob painéis de betão pré-fabricados e para evitar a perda de argamassa ao unir componentes de betão pré-fabricados.

Uma vez coladas, as juntas verticais e horizontais dos segmentos pré-moldados foram seladas com Sikadur-31 CF e Sikadur-31 DW.

Wind6

Ambos os produtos tixotrópicos são resistentes à humidade, e funcionam como colas estruturais de dois componentes e argamassa de reparação com base numa combinação de resinas epóxi e cargas especiais. Fornecem alta resistência mecânica inicial e são impermeáveis ​​aos líquidos e ao vapor de água. O Sealing Backing Cord foi colocado nas juntas de expansão para regular a profundidade da selagem e para fornecer um suporte sólido sobre o qual os selantes foram colocados.

Usando a mão-de-obra local certificada da Sika, a DD Materials completou a betonagem de todas as cavidades verticais aplicando SikaGrout-295 ZA (uma argamassa de um componente, de elevada resistência, à base de cimento especificamente projetado para a utilização na área das energias renováveis), bases metálicas, entre segmentos de betão e para preencher fissuras, lacunas e grandes vazios. O produto foi enviado para testes de resistência e agora tem o certificado de durabilidade. Os trabalhadores também obtiveram formação em aplicações de reparação, impermeabilização e betão epóxi. O projeto foi fundamental para criar uma média de 400 empregos, com picos de até cerca de 800 funcionários durante a fase de construção.

Wind5

Um dos principais requisitos do cliente era uma utilização ao máximo dos produtos locais. 100% dos produtos Sika utilizados no projeto Gouda Wind Farm foram produzidos localmente. Testada e experienciada a sua fiabilidade e resistência, os produtos empregues neste projeto aumentaram o valor de sustentabilidade deste parque eólico.

Todos os requisitos de equipamentos de proteção pessoal foram introduzidos para cada funcionário antes de iniciar o trabalho e foram adotados diariamente no local. A Acciona possui um Sistema Integrado de Gestão Integrado (IMS), incorporando as normas de qualidade (ISO 9001), ambiente (ISO 14001), saúde e segurança (OHSAS 18001). Como louvor final, o projeto Gouda Wind Farm ganhou o cobiçado Prémio Fulton pela Inovação em betão. Uma vez que a importância deste grande projeto era utilizar os produtos e a mão de obra local, este superou todas as expectativas, provando que o que é local é realmente melhor.

A África do Sul está a cumprir o ambicioso objetivo de 10.000 GWh em energias renováveis ​​no âmbito do seu Plano Integrado de Recursos, um plano de energia para o período de 2010 a 2030. A energia eólica do país é agora cerca de 40% mais barata do que a nova energia de carvão produzida para consumo nacional. O crescimento bem sucedido para a capacidade adquirida de 10 MW a 3,3 GW em apenas quatro anos não foi conduzido unicamente pelo imperativo de enfrentar mudanças climáticas.

Wind2

O rápido reconhecimento e crescimento das energias renováveis dentro do ambicioso objectivo ​​do governo, deveu-se ao simples fato de que o vento se tornou numa energia óbvia. Um parque de energia eólica pode ser configurada quatro vezes mais rápidamente do que uma nova fábrica de carvão e, possivelmente, seis vezes mais rápido do que uma estação nuclear. É muito mais barato e extremamente seguro. É modular e pode usar melhor a capacidade existente da rede. Além disso, tudo é realizado com investimento privado e não exige que o governo faça o empréstimo de milhões para um novo programa de instalação. A indústria eólica amadureceu e atingiu um nível em que os negócios falam por si só. A energia eólica atingiu a maioridade.

Advertisements

Da cave ao telhado

A Sika possui uma estrutura organizacional descentralizada e plana, projetada para o crescimento dos funcionários, para promover o trabalho de equipa e encorajar a troca de informações e inovação.

From_Basement4

“O Cliente em primeiro lugar” é uma pedra angular dos valores do grupo; e a Sika entende que são as suas próprias pessoas que proporcionam, o máximo benefício aos seus clientes, todos os dias.

Para suportar isto, é essencial um ambiente de trabalho que inclui todos os equipamentos necessários, serviços e conexões. Consequentemente, o alinhamento dos valores da Sika com a estrutura organizacional e os processos designados por uma equipa, em conjunto com o ambiente de trabalho, são criados para aumentar a satisfação, melhorar o desempenho e aumentar a competitividade num mundo em rápida mudança.

From_Basement2

A sede da Sika está localizada em Zurique, no distrito Altstetten. O complexo inclui a produção, investigação e desenvolvimento, os serviços centrais e um parque de estacionamento de vários andares, para além de outros edifícios para os departamentos da área comercial e de marketing, com extensas instalações para formação. Um dos objetivos fundamentais do novo edifício era centralizar as divisões de vendas da área da construção da organização com outros departamentos-chave que estavam localmente separados antes. O objetivo é explorar plenamente as sinergias de trabalho.

Foram introduzidos novos conceitos no local de trabalho para apoiar a colaboração e troca de informações, facilitando o contato entre os membros de diferentes departamentos e grupos de trabalho. O edifício Limmat foi concebido para acomodar até 300 funcionários.

Há também novos laboratórios e um centro de demonstração e aplicação de produtos, para além de um restaurante para os funcionários e visitantes.

O projeto de construção é baseado na utilização flexível do espaço para múltiplas funções, refletindo as competências base do grupo: vedação, colagem, amortecimento, reforço e proteção; e tudo isto é materializado neste novo edifício, seguindo e comunicando os objectivos de negócio por todo o espaço físico. Os funcionários e os visitantes estão no centro da concepção do edifício.

From_Basement3

É um ambiente de trabalho agradável, luminoso, aberto, com o máximo de luz natural possível e onde são disponibilizados espaços de contato social. As tecnologias para apoiar a sustentabilidade, de acordo com os padrões internacionais Minergie (Suíça), incluiem por exemplo, a instalação de painéis solares fotovoltaicos implementada de forma extensiva e abrangente neste edifício. Os novos conceitos de trabalho aplicados no Limmat tem o layout do escritório como um formato de casulo.

Na parte da frente do edifício estão localizados os locais de trabalho fechados para a concentração dos funcionários no trabalho, com escritórios de open space e salas de reunião para trabalho de equipa e projectos. Para criar um ambiente confortável e atraente foram incluídas áreas de formação e de ensino. No geral, o design suporta o foco, o trabalho de equipa, a interação e a partilha de conhecimentos.

As soluções da Sika estão representadas em todo o edifício: desde as membranas da fundação à fachada de betão, nos revestimentos de pavimentos e janelas vedadas nas membranas para as coberturas. Ao todo, mais de 60 produtos Sika e sistemas de todas as áreas de negócio contribuíram para o sucesso do projeto do edifício Limmat.

O betão assume uma grande variedade de formas: a fachada discretamente colorida, com tons escuros e uma tonalidade cinzenta natural nos corredores, nas escadas e espaços de escritório.

Os acabamentos criativos das paredes nas áreas de coffee break, alusivos a folhas de relva a balançarem ao vento, em ondas do mar e ondulando numa praia, adicionam uma qualidade universal à experiência do espaço. Não há falta de cor vibrante no edifício: no piso das zonas de café, por exemplo, há um brilho com um verde refrescante.

Uma vez que o edifício Limmat também inclui instalações de laboratório de alta qualidade, para formação e  apresentação, ao nível da cave, era essencial uma estanqueidade absoluta.

From_Basement1

O betão é à prova de água com o SikaProof®, uma membrana embebida no betão fresco, que oferece a resistência comprovada à passagem de água subterrânea. A membrana foi instalada em conjunto com diversas soluções de sistemas Sika para a selagem de juntas, passagem de tubos e outros detalhes.

From_Basement9

As unidades de betão colorido pré-fabricado estão numa simbiose harmoniosa com a fachada indiossicrática de vidro. Para obter uma vedação perfeita nas selagens entre a fachada e as unidades de betão, o sistema de impermeabilização Membran® Sika foi ligado em torno de cada unidade. Este sistema proporciona uma barreira confiável contra o vento e a humidade, previne as condensações, e serve para atenuar as perdas em pontes térmicas, e, portanto, ajuda a manter ambientes fechados confortáveis durante todo o ano.

From_Basement5

O edifício Limmat é revestido por uma estrutura de cobertura em aço. Para o proteger contra os danos causados de uma ação ambiental a longo prazo, o acabamento de aço foi feito com o revestimento de proteção contra corrosão SikaCor® cinza (RAL 7046). Foi instalada uma membrana Sarnafil® na área da cobertura plana, que serve como terraço do restaurante, para proteger os gabinetes de baixo. A membrana impermeável foi mecanicamente fixada e balastrada por uma camada de cascalho para evitar a elevação do vento e reduzir a exposição ao clima. O telhado de metal lançado foi impermeabilizado com uma membrana Sarnafil® TG e também incorpora duas camadas de isolamento térmico. Os painéis fotovoltaicos são capazes de gerar 110.000 KWh eletricidade.

A partir da primavera, o enorme terraço ao ar livre do restaurante do quinto andar permitirá aos funcionários almoçar enquanto desfrutam de magníficas vistas sobre o rio e os verdes em seu redor – um destaque verdadeiramente relaxante para o dia de trabalho.

900.000 azulejos para um novo terminal de cruzeiros

Os portos desempenharam desde sempre um papel vital no sistema de transportes internacional, mas têm vindo a ter uma maior importância desde a segunda metade do século XX com a rápida globalização e comércio mundial.

Cruise_Terminal6

Atualmente, os portos não são apenas um ponto de transferência entre os diferentes meios de transporte, mas também são centros logísticos das cadeias de transporte de passageiros e de mercadorias. Os custos elevados do porto e dos transportes poderão ser barreiras para o comércio. Mas, se o transporte for organizado eficientemente, será melhor.

O terminal do Porto de Leixões, em Portugal, inaugurado em julho de 2015, está localizado em Matosinhos. Este terminal foi construído especificamente para navios de cruzeiro. O novo edifício do terminal, concebido com o objetivo de relançar e impulsionar o turismo local e desenvolver o caráter urbano da localização, fica num cais com 340 m de comprimento e inclui um caminho de acesso pedestre para o público em geral e passageiros. O porto de Leixões é o segundo porto nacional mais importante em termos de tráfego de contentores e também desempenha um papel importante na nova estratégia comercial europeia.

Cruise_Terminal2

Do edifício principal, saiem três conexões importantes, numa área de cerca de 1.500 m2: o novo cais para navios de cruzeiro, o novo porto recreativo náutico para embarcações e o novo sistema rodoviário de acesso à cidade.

O edifício principal alberga o prédio da estação de passageiros, uma praça, uma galeria museu com laboratórios para promover o Parque de Ciência e Tecnologia do Mar da Universidade do Porto, um aquário, uma garagem subterrânea, salas de reuniões, um restaurante e um grande anfiteatro a céu aberto com uma vista sobre o cativante oceano.

Cruise_Terminal8

O plano urbano estende-se por um espaço público com cerca de 5 hectares e aproximadamente 19.000 m2 de área de construção, incluindo o porto e a extensão do cais, com o edifício localizado no final do cais. Este edifício foi projetado numa forma de uma espiral élica movida do nível do mar numa alternância contínua de superfícies cristalizadas e opacas para criar uma estrutura com 4 níveis. As formas sinuosas do novo edifício atraem visitantes através de uma espécie de força centrífuga que os leva ao grande átrio central, que é imbuído de luz filtrada, que se sente como uma viagem ao mar aberto.

O custo total do projeto foi de cerca de 26 milhões de euros, com um orçamento inicial de 28,3 milhões de euros. O projecto foi financiado pela União Europeia com o objectivo de impulsionar a economia local, que se baseia no tráfego marítimo e no turismo.

Mais de 4.000 toneladas de aço foram utilizadas para construir o terminal, bem como 20.000 m3 de betão, 6.700 m2 de vidro e 900.000 azulejos em seis formas diferentes. Este projeto ganhou o Prémio AZ 2016 (categoria internacional de arquitetura e design) em Toronto. O livro Terminal de Cruzeiros de Leixões, editado pelo arquiteto do projeto Luis Pedro Silva, foi publicado mundialmente em março de 2016.

O gestor do projeto para a construção principal do novo porto do Terminal de Cruzeiros de Leixões queria instalar telhas cerâmicas de diferentes espessuras e formas nos muros de betão interiores e exteriores, e as telhas para a cobertura. Os ladrilhos precisavam de ser colados sem betumação com uma junta aberta de 2 a 3 mm. Fatores locais, como exposição ao ataque de cloreto da água do mar, variações de temperatura e expansão térmica tiveram que ser incorporados no projeto.

Era necessário identificar uma solução que permitisse a instalação de 900 mil azulejos em seis formas diferentes. A fixação apresentava dificuldades consideráveis, dado o tipo de base e o acesso desconfortável das superfícies verticais. Isso significava que os aplicadores poderiam cobrir apenas 5 m2 por dia/pessoa. A combinação de desafios levou a uma série de questões de gestão de custos para acompanhar o orçamento da construção e manutenção.

Após a análise das condições da base (cura do betão, testes de arrancamento, resistência à compressão), foi definido um método de aplicação. Primeiramente, incluiu o jato de água ou de areia para eliminar todo o pó e qualquer vestígio de agentes libertados da base, bem como a remoção mecânica de todas as saliências e imperfeições devido à cofragem para obter uma superfície lisa, adequada para promover a colagem completa dos azulejos à base, que deveria estar perfeitamente seca.

Cruise_Terminal7

Os azulejos hexagonais de 15 cm de diâmetro, de espessura e forma variadas foram maioritariamente utilizadas para a parede exterior e interior. Elas foram colocadas sem argamassa, minimizando o uso de cola (que foi aplicado como agente de nivelamento) e também maximizando os efeitos tridimensionais e escuros. A aderência do cimento cola Technokolla ALL-9000 para o betão e os azulejos fundidos no local foi excelente, devido também ao fato não possuir deslizamento vertical.

No que diz respeito à colagem dos azulejos à parede, o procedimento foi o seguinte: Nivelamento muito leve com o Technokolla ALL-9000, aplicando-o com uma espessura mínima para evitar bolhas ou imperfeições na superfície da cola. Espalhamento da cola primeiro com uma espátula entalhada (4 a 5 mm), assegurar uma camada contínua e uniforme de cola (cerca de 2 mm de espessura) na superfície com uma espátula lisa. Aplicação da cola também nos cantos da parte de trás dos azulejos usando uma pequena espátula.

Cruise_Terminal5

Em seguida, a colagem (com a pressão devida) dos azulejos na base previamente nivelada. Os azulejos não foram colados juntos um do outro; foi assegurada uma distância mínima entre eles (2/3 aprox.). Através do uso de espaçadores. Qualquer excesso de cola nos bordos ou superfície dos azulejos foi removida com um pano embebido em álcool etílico quando o cimento-cola ainda estava fresco.

No que diz respeito ao procedimento de colagem no tecto, a Sika recomendou o mesmo procedimento de instalação descrito anteriormente, mas neste caso, ao cimento-cola ainda fresco foi capaz de suportar o peso dos azulejos desde que foram instalados numa superfície plana, ao contrário das instaladas nas paredes. Rasolastik, da Sika, um produto à base de cimento de dois componentes, foi utilizado nas rampas de acesso para peões do prédio ao mar – as áreas com maior exposição a cloretos.

O Porto de Leixões, parte da rede transeuropeia de transportes principais, serve como principal porta marítima para o Porto, um destino turístico popular – e para a região norte do país. No entanto, as instalações de cruzeiros do porto para navios e passageiros eram muito pequenas para acomodar o tamanho médio dos navios que atualmente são utilizados no mercado de cruzeiros. O projeto “Novo Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões” está a posicionar a região como ponto de partida para navios de cruzeiro internacionais e navios oceânicos de luxo, reforçando assim a indústria turística local.

Ao investir num terminal de cruzeiros completamente novo e em todas as suas instalações, o Porto de Leixões serve agora de centro para uma economia baseada num porto marítimo.

Um pavimento que dá música

Imagem-01

DESCRIÇÃO DO MUSEU

No dia 4 de Outubro de 2016 foi inaugurado um novo espaço museológico dedicado à música.

Um museu único em Portugal dedicado ao estudo, preservação, valorização e divulgação de uma coleção particular representativa da música mecânica, particularmente dos finais do século XIX à década de 30 do século XX.

DESCRIÇÃO DO PROJETO

Com a área de 1.020 m2, o edifício do Museu da Música Mecânica consiste numa caixa totalmente fechada, opaca e abstrata.

Apenas o alçado principal apresenta uma concavidade que assinala a entrada do edifício. Aqui fica exposta uma coleção privada de caixas de música produzida por meios exclusivamente mecânicos.

A organização interior é cruciforme, em redor de um pátio central, que distribui para os quatro lados do edifício.

Num lado existe o átrio, que funciona também como espaço vertical de dimensões variadas. A transição entre cada um destes quatro espaços é feita através de quatro antecâmaras. O resultado final é um volume que, visto por fora, parece elementar mas cujo interior desmonta essa simplicidade: explorando longas perspetivas diagonais que se vão abrindo à medida que os espaços são percorridos, deixando vislumbrar relances das galerias seguintes num jogo de sedução espacial que procura manter a curiosidade do visitante desde o início até ao fim da visita.

O museu possuiu cinco galerias de exposição dos instrumentos mecânicos, dispostas em redor de um pátio central, e mais uma sala documental. O edifício tem ainda um auditório com 70 lugares e uma sala multiusos, onde são acolhidas, entre outras funcionalidades, exposições temporárias.

imagem-03
 

REQUISITOS DE PROJETO

Os requisitos fundamentais para a adjudicação de soluções Sika® ComfortFloor® foram a estética, a redução acústica associadas a durabilidade e a possibilidade de acabamento mate.

FATOR DIFERENCIADOR

O apoio e suporte técnico desde a especificação até à execução e aplicação especializada por Aplicador Aprovado. Notoriedade da marca, projetos de referência em Portugal e em todo o Mundo.

INTERVENIENTES DO PROJETO

  • Arquitetura: Miguel Marcelino
  • Empreiteiro Geral: Magnokbilding
  • Aplicador: Indopave
  • Localização: Arraiados, Pinhal Novo, Palmela, Portugal
  • Cliente: Luís Cangueiro
  • Áreas: 1.040 m2 (construção), 620 m2 (implantação), 1.994 m2 (lote)
  • Volume de construção: 4.655 m3

SOLUÇÃO Sika® ComfortFloor®

Em resposta às exigências do projeto, a Sika Portugal apresentou soluções dentro da gama de pavimentos Sikafloor®.

As soluções Sika® ComfortFloor® permitem construir pavimentos contínuos com acabamento mate e colorido, que podem ser aplicados numa ampla gama de espessuras (incluindo manta de borracha para excelência acústica) e com várias possibilidades de acabamento (monocromático ou policromático).

Das propriedades do sistema Sika® ComfortFloor® destacamos a elevada estética, performance acústica e conforto da caminhada, atributos higiénicos, facilidade de limpeza e renovação. Estes pavimentos possuem também comprovada e elevada durabilidade.

O sistema foi composto pelos produtos:

  • SikaFloor®-156
  • SikaFloor®-330
  • SikaFloor®-305 W

Esta obra foi de grande relevância para a Sika, onde a marca se distinguiu, mais uma vez, pelo apoio personalizado na especificação, no acompanhamento da obra e pela competência do aplicador aprovado.

Imagem-09

VENCEDOR EM TODAS AS CATEGORIAS SIKA® PULASTIC® EM PAVIMENTOS DESPORTIVOS

A Escola Básica e Secundária D. Martinho Vaz de Castelo Branco foi construída em 1991.
Após requalificação a que foi sujeita entre 2011 e 2013, adquiriu uma estrutura que lhe permite alargar a oferta formativa do ensino básico ao secundário.
Dispõe de várias salas de aula e polivalentes, equipados na sua maioria com dispositivos áudio visuais, laboratórios, biblioteca, auditórios, pavilhão desportivo, campo de jogos, bar, pbx, cozinha e refeitório, serviços administrativos, reprografia e cacifos para os alunos.

No dia 15 de Setembro de 2016 foi inaugurado o Pavilhão desportivo, depois de obras de reabilitação do existente.

imag-05

O PROJETO
Uma área de 1.230 m2 de pavimentos foi reabilitada com o sistema Pulastic® da Sika. Após o “retoping” do revestimento já existente (aplicado em 1995), o pavimento ficou como novo e com aproximadamente 35% do custo de um piso novo.

A SOLUÇÃO PULASTIC®
Os pavimentos desportivos Pulastic® da Sika são desenvolvidos e fabricados de acordo com as normas mais exigentes. A sua aplicação fica a cargo de empresas altamente qualificadas e experientes.

A gama das soluções Pulastic® é especialmente expedita para as necessidades dos utilizadores dos espaços, estando a par das inovações neste mercado.
O foco da gama Pulastic® não são apenas os utilizadores mas também os proprietários. As instalações desportivas devem ser por vezes multifuncionais estando aptas a receber eventos desportivos (federados ou não) ou outros como por ex: exposições, conferências, etc.

006

O sistema foi composto pelos produtos:

  • Pulastic® GM 1500 – Auto alisante
  • Pulastic® 221 – Pintura
  • Pulastic® Line Paint Pintura de linhas

PAVIMENTO DESPORTIVO PULASTIC®
UM VENCEDOR EM TODAS AS CATEGORIAS
Com o pavimento desportivo Pulastic® cada atleta desfruta de um ótimo rendimento e conforto.
Do amador até ao campeão mundial; desde a criança que começa a andar até ao atleta profissional.
Seja em escolas, em recintos interiores, de atletismo, de ténis, em exterior ou para fisioterapia, a gama Pulastic® oferece total proteção e segurança em qualquer circunstância.

10 princípios que distinguem a gama Pulastic®

    • Segurança
    • Comodidade/bem-estar
    • Multi funcionalidade desportiva
    • Vida útil.
    • Sustentabilidade
    • Enquadramento normativo adequado
    • Estética
    • Referências a nível mundial
    • Apoio técnico personalizado
    • Excelente relação custo/beneficio (a renovação não necessita de remoção total na maioria das vezes)

Vantagens da gama Pulastic®

  • Superfície sem juntas, não porosa e uniforme
  • Cumpre normas internacionais/federações
  • Durável
  • Comodidade ótima e prevenção de lesões dos atletas
  • Boa resistência ao deslizamento/escorregamento
  • Bom comportamento vertical da bola (ressalto)
  • Marcação de linhas personalizável
  • Excelente resistência das cores
  • Insonorizante acústico
  • Fácil limpeza e manutenção
  • Ponte de fissuras/flexível e elástico
imag-07

REQUISITOS DO PROJETO
Os requisitos fundamentais para a adjudicação das soluções Pulastic® foram o desempenho, a estética, a durabilidade e a possibilidade de acabamento mate, a facilidade na renovação e o custo.

FATORES DIFERENCIADORES
O apoio e suporte técnico desde a especificação até à execução. Notoriedade da marca, projetos de referências em todo o mundo. Esta obra foi de grande relevância para a Sika, onde a marca se distinguiu, mais uma vez, pelo apoio personalizado na especificação, no acompanhamento da obra e pela competência do aplicador especializado.

INTERVENIENTES DO PROJETO

  • Aplicador: ARTH
  • Localização: Póvoa de Sta. Iria
  • Cliente: CM Póvoa de Sta. Iria
  • Área: 1.230 m2

COMO A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ENCONTRA AS NOSSAS MESAS?

Quantas vezes pensa na cadeia de fornecimentos que se encontra por trás dos alimentos que consome? Hoje em dia, não são só os alimentos tropicais como o açúcar, o café, o chocolate, o chá e as bananas que são transportados por longas distâncias para chegar às nossas mesas, mas também as frutas e os legumes que costumavam ser cultivados localmente em jardins familiares e em pequenas quintas. Uma maçã da Nova Zelândia importada para a Califórnia ou da África do Sul para a Alemanha é muitas vezes mais barata do que uma maçã de San Francisco ou Munique, a apenas uma hora de distância. O nosso foco aqui não é saber se isso é realmente mais barato a longo prazo ou mais sustentável. Em vez disso, queremos observar plantações de produção de alimentos, uma parte muito importante da cadeia de abastecimento onde os padrões de higiene mais rigorosos devem ser cumpridos para produzir alimentos saudáveis. Numerosos factores precisam pois de ser abordados durante o processo de concepção de um edifício como esse.

food_beverage_flooring3

A vasta indústria de processamento de alimentos é composta por muitos tipos diferentes de negócios, como fábricas de lacticínios e bebidas, catering, cozinhas industriais e vinícolas, instalações de embalamento de peixe, padarias, fábricas de frutas e vegetais e fábricas de produção de snack’s. Cada um deles tem os seus próprios requisitos específicos para pavimentos, paredes e outras superfícies. A gama de instalações inclui arcas frigoríficas, linhas de engarrafamento, zonas de processamento e manuseamento de matérias-primas, tal como áreas de acondicionamento e armazenamento. A lista não tem fim. A chave para projectar uma instalação industrial eficiente é estudar a linha de produção e os requisitos das suas operações e comunicar frequentemente com os directores das instalações.

Dependendo do que produz ou armazena, uma instalação industrial normalmente lida com muitas atividades diariamente, incluindo o movimento de cargas pesadas, paletes e caixas, às vezes sob rigorosos requisitos de temperatura. Outra questão comum é a necessidade de renovar os pavimentos para acomodar um tipo totalmente diferente de negócio por muitos anos.

food_beverage_flooring1

Além disso, os pavimentos não só têm, por exemplo, de suportar uma exposição severa a tensões mecânicas, químicas e térmicas, mas também necessitam de proporcionar o grau correcto de resistência ao deslizamento exigido pelas normas de saúde e segurança. A gama completa de soluções de pavimentos sem juntas e resilientes da Sika, oferece várias tecnologias de qualidade mundialmente comprovada para satisfazer todos estes desafios.

A segurança alimentar e a higiene tornaram-se visíveis aos olhos dos consumidores, da indústria, dos reguladores e de outros stakeholders, como nunca antes tinha sido visto. A Iniciativa Global para a segurança dos Alimentos (GFSI), juntamente com os seus vários parceiros de certificação, elevou o nível de segurança alimentar em todos os segmentos da indústria, desde fornecedores e produtores de matérias-primas até distribuidores e retalhistas. E por uma boa razão. Mais de 200 doenças são conhecidas por serem causadas por alimentos ou transportadas por alimentos.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) relata que todos os anos milhares e milhares de pessoas morrem devido a esta problemática. Um estudo global de 2010, por exemplo, mostrou um número estimado de 582 milhões de casos notificados de doenças alimentares abrangendo 22 doenças diferentes e causando mais de 350.000 mortes. Mas há ainda mais em jogo. Os alimentos inseguros representam grandes riscos económicos, especialmente num mundo globalizado. Vejamos, por exemplo, o surto de E. coli na Alemanha em 2011, que provocou perdas de USD 1,3 bilhão em agricultores e indústrias em toda a Europa e em outras regiões.

food_beverage_flooring2

As inovações que foram desenvolvidas para satisfazer a procura dos consumidores por alimentos mais nutritivos e de melhor sabor não são suficientes. Estas inovações também devem ser implementadas ao nível das fábricas. A própria instalação tem de ser concebida e construída de forma a evitar qualquer possibilidade de contaminação dos alimentos.

A escolha do pavimento correcto, paredes e outras superfícies podem ajudar a fazer isso. Idealmente, o revestimento deve ser perfeito e fácil de limpar, de desinfectar e de enxaguar bem, para remover resíduos de lavagem e quaisquer vírus, bactérias ou pragas que possam estar presentes.

Para além da segurança da higiene, outras preocupações principais que enfrentam cada administrador são a manutenção, a durabilidade, a resistência, a avaliação de custo, a sustentabilidade, as garantias e a garantia de qualidade, além das certificações requeridas. A Sika não só fornece os produtos, mas também uma abordagem consultiva, sensível ao tempo e baseada nos serviços das suas atividades, o que é importante para os desafios complexos serem resolvidos.

Uma outra consideração para além da segurança higiénica, e onde uma ênfase crescente está a ser posta agora, é a estética, mais particularmente as cores, para razões funcionais e de segurança. De um ponto de vista técnico, outras cores para além do vermelho tradicional, como o amarelo e o bege, muitas vezes são agora preferidas porque os resíduos de alimentos, o lixo e outras matérias contaminantes podem ser mais facilmente vistos. A cor também pode ter uma grande influência sobre a qualidade percebida do espaço de trabalho. As cores mais claras e brilhantes criam um ambiente muito mais positivo do que as cores mais escuras e mais planas. Fábricas de carne, por exemplo, utilizam muitas vezes agora o amarelo em vez de vermelho para que os resíduos de alimentos possam ser muito rapidamente vistos e limpos; instalações de saladas e vegetais agora preferem usar o verde ou o amarelo.

food_beverage_flooring4

As tendências atuais de alimentos podem ser resumidas pelos termos “snackification“, baixo teor de gordura, wellness, proteínas naturalmente funcionais, bons e maus hidratos de carbono, saudáveis para a mente ou para a saúde digestiva. Mas devemos sempre lembrar que estamos no final da cadeia alimentar. Seja qual for a nova tendência que surgir a seguir, há muitos desafios para atender antes de serem servidos alimentos saudáveis na nossa mesa e teremos sempre que decidir o que comer, e quanto.

Como colar fiavelmente uma pá eólica com quase uma tonelada de adesivo?

No mundo, os objectivos para as energias renováveis continuam a ser o principal meio pelo qual os governos expressam seu compromisso com esta questão. No final de 2015, 173 países tinham estabelecido metas de energia renovável a nível nacional ou local. Foram também adoptadas metas a nível regional, incorporando compromissos de parcerias em vários países, de acordo com a REN211 no seu relatório de Global Status sobre energias renováveis de 2016.

O crescimento das energias renováveis é liderado pela eólica

Dr. Fatih Birol, Director Executivo da Agência Internacional de Energia, destaca o aumento da importância da energia eólica: “Em 2015, o aumento da geração da energia eólica foi equivalente a quase metade do crescimento da electricidade global, pelo segundo ano consecutivo. As emissões globais de CO2 permaneceram estáveis, apesar do crescimento da economia mundial. Isto deveu-se à reestruturação industrial, à melhoria da eficiência energética e ao crescimento substancial das energias renováveis – liderado pelo eólica.

windblades5

Desde 2005 deu-se um excepcional história no desenvolvimento das energias renováveis

O que está a acontecer à volta do globo? A China ultrapassou a marca de 100.000 MW em 2014, acrescentando mais um capítulo à sua já excepcional história de desenvolvimento de energias renováveis desde 2005.

Este ano, voltou a fazer história, reforçando a sua posição no ranking. 2015 foi um ano forte para a Europa e América do Norte, com a Alemanha e os EUA a liderar o caminho nos seus respectivos continentes. A Guatemala, a Jordânia e a Sérvia somam os seus primeiros grandes parques eólicos comerciais e a África do Sul tornou-se o primeiro mercado africano a passar a marca de 1 GW.

Livre de emissões até 2050?

Os estudos do Conselho Global de Energia Eólica (GWEC) identificaram três principais drivers do crescimento a médio prazo da energia eólica. O primeiro é o resultado positivo das negociações sobre o clima na COP 21 da UNFCCC, em Dezembro, o que foi uma agradável e inesperada surpresa. Os objectivos adoptados a longo prazo pelos 186 países reunidos em Paris, constituem um apelo a favor de um sector energético 100% isento de emissões até 2050, o mais tardar.

Os custos da energia eólica desceram

Em segundo lugar, é óbvio que os custos da energia eólica desceram drasticamente nos últimos anos, e estruturas novas e complexas de financiamento estão a criar condições que tornam as energias renováveis competitivas num número crescente de mercados.

Natureza on-off do mercado dos EUA

Em terceiro lugar, temos que olhar para os Estados Unidos. Como um pioneiro na indústria de energia eólica global, com alguns dos melhores recursos eólicos do mundo, há algum tempo que tem tido preços muito mais baixos do que a maioria dos seus concorrentes da OCDE. No entanto, a dificuldade sempre foi a natureza on-off do mercado dos EUA. O Congresso dos Estados Unidos aprovou uma lei para uma extensão a longo prazo e para a extinção gradual do Crédito Fiscal de Produção (PTC), o que tem sido o principal apoio da política federal para a energia eólica nos EUA.

windblades4

Até 2030, o vento poderia fornecer até 19% da electricidade global, reduzindo 3 biliões de toneladas de CO2

Os estudos também mostram que, sob certas condições, até 2030 a produção eólica pode chegar a 2.000 GW, fornecendo até 17-19% da electricidade global, criando mais de 2 milhões de novos empregos e reduzindo as emissões de CO2 em mais de 3 biliões de toneladas por ano. Em 2050, a energia eólica poderá representar 25-30% do fornecimento global de electricidade. Os países com a maior capacidade eólica são China, Estados Unidos, Índia, Alemanha, Espanha, Itália, Reino Unido e Brasil.

O que está por detrás de uma turbina eólica para geração de electricidade?

As pás de rotor são um componente chave na turbina eólica, e deve-se dar especial atenção a cada fase da sua fabricação, desde o projecto à produção. Na construção de pás de duas peças, dois cascos em material compósitos são ligados ao longo dos seus bordos de ataque e de arrasto e na área em torno das Shear Webs. Visto que as lâminas estão expostas a todos os tipos de condições atmosféricas e enormes esforços por décadas, os adesivos utilizados para as unir têm de ser igualmente duráveis.

Tem sido demonstrado que o sistema endurecido é mais resistente ao início de danos do que o material comum. Por exemplo, após um milhão de ciclos em condições severas, o material adesivo comum apresenta pelo menos duas vezes mais fissuras que o sistema endurecido.

O adesivo correcto para colar pás de turbinas eólicas sujeitas a cargas elevadas

O Sikadur® WTG-1280 LD é um adesivo epoxy tixotrópico, de alta resistência à fractura, isento de solventes. É usado para colar estruturalmente componentes sujeitos a cargas elevadas na montagem de pás de turbinas eólicas. O produto oferece longo tempo aberto em temperaturas elevadas, fácil extrusão e aplicação e tempos de processamento rápidos. O Sikadur® WTG-1280 LD possui, portanto, propriedades de classe superior de resistência e resistência à fadiga para maior durabilidade, garantindo longevidade e fiabilidade nas atuais turbinas eólicas de elevada capacidade produtiva, mesmo nas condições mais difíceis.

Uma vez que o adesivo é estrutural neste tipo de construção, são necessárias propriedades mecânicas e de fadiga elevadas. Por consequência, são usados os sistemas epóxi de elevada resistência à fadiga são actualmente utilizados. São usados entre 500 e 800 kg de adesivos por pá.

windblades3

A Sika acompanha-o em todas as etapas do processo: fabrico de moldes e modelos, fabrico e montagem de pás, acabamento e reparação, bem como protecção de superfície e fixação de elementos interiores e exteriores. A gama de adesivos standard da Sika inclui produtos para sistemas de protecção contra raios, blocos de equilíbrio, geradores de vórtices, asas e muito mais.

windblades2

Turbinas eólicas de alta altitude para 9.000 m acima do nível do mar

O que o futuro trará? Os cientistas estão a apressar-se para desenvolver turbinas eólicas de alta altitude capazes de aproveitar ventos mais fortes e mais consistentes na atmosfera. Embora modelos diferentes estejam na fase de projecto ou em teste, há ainda questões de viabilidade associadas ao seu desenvolvimento. Embora a 9.000 m acima do nível do mar os ventos sejam até 20 vezes mais fortes, ainda há muito a fazer para usar o vento de forma mais eficiente em todos os continentes.

JARDINAGEM SEM SOLO

A NASA está actualmente a experimentar o cultivo de alimentos em hidrocultura no espaço. Durante uma missão a Marte ou uma longa estadia na lua, onde os astronautas estariam longe da terra por um longo período, e em que poderiam beneficiar de alimentos de hidrocultura. Cultivar alimentos no universo pode ser o futuro, com astronautas, jardineiros urbanos e agricultores domésticos utilizando sistemas de hidrocultura para cultivar alimentos em pequenos espaços interiores usando um sistema relativamente controlado.
hydroponic_gardening3

A jardinagem de hidrocultura tem grandes vantagens
A jardinagem de hidrocultura já é popular nos dias de hoje. A poupança de trabalho (sem ervas daninhas, sem solo), uma maior consistência de culturas com excelentes resultados quanto a sabor, cultivo anual e uma adaptabilidade perfeita a ambientes urbanos são apenas algumas das vantagens que tornaram famosa esta técnica.

Nutrientes minerais são a solução em vez do solo
Uma subdivisão do hidrocultivo, a hidroponia, é um método de crescimento de plantas que usa soluções de nutrientes minerais em água, sem solo. As plantas terrestres podem ser cultivadas com as suas raízes apenas numa solução mineral, ou num meio inerte, tal como perlite (vidro vulcânico) ou cascalho. As fontes de nutrientes possíveis em hidroponia são o nitrogénio, o enxofre, o fósforo, o magnésio e o cálcio.

Casa verde hidropónica para propósitos educacionais
A Sika Peru concebeu uma estufa de hidrocultura para fins educacionais. 30 funcionários da produção fabril e mais outros 30 da administração e vendas da Sika estão envolvidos no projecto de forma activa. Foram identificadas novas possibilidades de auto colheita de alimentos saudáveis e a nutrição dos funcionários da Sika e das suas famílias pode ser melhorada com culturas ricas em ferro, como espinafre ou agrião. Outros vegetais estão a ser também cultivados, incluindo alface, manjericão, cebolinho, tomate e tomate-de-capucho (uma planta de fruta indígena do Peru).
A consolidação de qualidades da equipa e a compreensão dos recursos naturais
A plantação, o cultivo e a colheita de plantas e hortaliças reforçam as qualidades da equipa, tais como o compromisso, a constância, a inovação, a criatividade e a colaboração. O projecto ajudou a desenvolver uma melhor conhecimento da água como um recurso único e valioso, bem como melhorar o tratamento de resíduos.
hydroponic_gardening4

Os voluntários da Sika apoiam a criação deste jardim hidropónico
Os voluntários da Sika contribuiram com o seu apoio na criação dum jardim hidropónico no terreno do Lar de Crianças Juan Pablo Magno, em Lurín, um distrito da província de Lima. Os funcionários da Sika Peru continuam a dedicar tempo à iniciativa social e ambiental. Já foi realizada uma sessão de sala de aula na estufa. A área ocupada pela estufa de 36 m2 costumava ser um jardim, agora contém mais de 150 tipos diferentes de cultura hidropónica.

A Sika Peru usou produtos reciclados para a construção da estufa
Foram utilizados diversos produtos reciclados durante o processo de construção, incluindo nutrientes, tais como MDF (painéis de fibras de madeira de média densidade) de embalagens, recipientes de matérias-primas e baldes. Também foi instalado um painel solar para suportar as bombas de água para os sistemas eléctricos.
Quais são as principais técnicas hidrofóbicas?
Foram ensinadas três principais técnicas hidropónicas:
1) Os sistemas hidropónicos verticais, tais como paredes vivas ou paredes verdes, podem ser livres ou justapostos à estrutura de um edifício. É uma óptima maneira de cultivar legumes, frutas e outras plantas dentro, ou ao ar livre, e pode também incorporar o cultivo hidropónico automatizado. Permite rendimentos de alta densidade e ciclos de crescimento mais curtos.
2) Geralmente, cada planta tem um emissor na sua base e a água está num temporizador ou é manualmente ligada. Tomates, beringela, pepinos e algumas culturas menores, são regadas usando sistemas de gota-a-gota na estufa, que é provavelmente a maneira mais comum de fazer crescer grandes culturas de frutas a longo prazo.
3) As plantas são plantadas em bandejas que flutuam sobre a água. As raízes flutuam debaixo da água, que é fortemente arejada para evitar o afogamento. A grande vantagem da cultura da água profunda é que ela usa o espaço muito de forma eficaz, porque existem poucas ilhas. Também não usa rega, o que reduz o desenvolvimento de doenças. Pode ser bastante barato de elaborar e fazer crescer as plantas rapidamente. Como as plantas com mais de 3 meses tendem a desenvolver problemas de raízes, isto é aplicado principalmente em culturas de curto prazo.

hydroponic_gardening2

Melhoria dos hábitos alimentares
A primeira fase do projecto teve início em Novembro de 2015 e estava previsto terminar em Dezembro de 2016. O próximo passo será envolver as comunidades próximas às instalações da Sika, a fim de ajudá-las a melhorar os seus hábitos nutricionais e partilhar com elas novas descobertas. Em julho de 2016, cinco funcionários da Sika Peru foram seleccionados para desenvolver uma estufa ou em casa ou para fins comerciais. Até dezembro de 2016, pelo menos uma comunidade em Lurín desenvolverá um modelo de estufa com a assistência da Sika.

Cerca de 20 famílias cultivam jardins
Os objectivos do projecto estão agora quase alcançados: manter uma jardinagem educacional hidropónica dentro da Sika, enquanto cerca de 20 famílias têm jardins e têm sido capazes de compartilhar a experiência dentro da comunidade da Casa Hogar Juan Pablo Magno. Como os seus danos colaterais são tão relevantes, a Sika Peru tem estabelecido contactos com parceiros de negócio que fazem projectos semelhantes, chegando mesmo a melhorar as relações familiares dos funcionários da Sika que têm jardins em casa.
hydroponic_gardening1

Faça você mesmo a jardinagem de pequenos espaços
Se alguma vez já esteve interessado em cultivar a sua própria comida, mas a falta de uma parcela de jardim ou quintal impediu-o de conseguir, pode começar a considerar fazê-lo num jardim interior ou num jardim hidropónico na sua varanda. A tecnologia abriu o caminho para alguns sistemas hidropónicos diferentes de ligar e usar, que vão desde sistemas aeropónicos a aquaponia, todos projectados para crescer alimentos eficientemente num espaço pequeno.

A MAIOR ESCOLA DE TOROS MADEIRA DO MUNDO

Estamos agora na cidade de Pudasjärvi, que está localizada na província de Oulu, no norte da Finlândia. A cidade em si, tem uma população de 8.242 pessoas e abrange uma área de 5.867,24 km2, da qual 228,67 km2 é água. A densidade populacional é de 1,46 habitantes por km2. Por área, Pudasjärvi é a segunda maior cidade da Finlândia e uma das maiores do mundo. Pudasjärvi é famosa pela sua natureza, e é a casa da área mais a sul da Finlândia, Syöte.

timber_house3

A cidade de Pudasjärvi decidiu construir um campo escolar que combina o design moderno com a identidade local, bem como permite o apoio de novas formas de aprendizagem. O edifício já se tornou um detentor de um recorde na medida em que é construído quase exclusivamente de toros de madeira de lei ou hirsi – uma especialidade finlandesa – é o maior deste género no mundo. A madeira serrada veio de uma empresa local e o projecto empregou pessoas locais, mantendo a pegada de carbono ao mínimo, graças às curtas distâncias de transporte. Durante o período da construção até maio de 2016, visitantes internacionais dos lugares mais distantes, tais como Coreia do Sul e Austrália, vieram conhecer o local. A escola de madeira tem atraído tanto interesse internacional como uma construção a visitar, porque o campo dos quatro edifícios conectados torna-a na maior instalação de madeira do mundo. Os engenheiros tiveram que enfrentar uma variedade de desafios de construção e soluções em termos de materiais.

timber_house2
Os proprietários do complexo de edifícios dizem que estão mais entusiasmados com um grupo particular de visitantes: os alunos atuais que receberão uma educação dentro das paredes de uma escola de madeira detonadora do recorde. O complexo de construção de madeira de Pudasjärvi será o lar de uma escola primária, 2º ciclo e ensino secundário, bem como uma faculdade comunitária a partir do Outono de 2016. Este complexo deve ser mantido usando o que é chamado o modelo de ciclo de vida. A empresa de construção Lemminkäinen Talo Oy será a responsável pela manutenção do edifício nos próximos 25 anos, aliviando o fardo na comunidade da cidade.

timber_house1

As principais características do edifício são a sua diversidade e adaptabilidade. Por exemplo, as salas de aula do ensino médio estão construídas em redor da área do lobby e podem ser combinados com um ambiente de aprendizagem grande. As coberturas das áreas do lobby são suportados por vigas estruturais porque a madeira nas paredes vai-se contraindo ao longo dos anos. O raciocínio do empreiteiro para a utilização da madeira era superar os graves problemas de ar interior sofridos na velha escola. As paredes do novo complexo são de madeira maciça, e os construtores acreditam que isso resolverá qualquer problema de mofo ou qualidade do ar interior.

A escola tem espaço para 800 alunos. Para além das várias escolas, o edifício também integra um espaço para organizações sem fins lucrativos e um clube desportivo. Os quatro edifícios juntos cobrem uma área total de 9.700 m2. A cidade de Pudasjärvi queria investir num ambiente de aprendizagem multifuncional, saudável e moderno. Edifícios escolares anteriores tinham problemas de qualidade do ar interior, o que significava que os materiais para a nova estrutura tinham de cumprir padrões rigorosos de qualidade do ar habitável.

timber_house6

As instalações do hall de entrada e da cantina precisavam de ter um pavimento novo, durável, fácil de limpar, com baixo nível de emissões e confortável, que não contivesse PVC ou amaciadores, e que possa ser aplicado sem cola. O pavimento também deve ser resistente a elevados níveis de tráfego.

O arquitecto Lukkaroinen Oy escolheu o Sika ComfortFloor® como a solução ideal para a fácil manutenção e conforto do pavimento. O revestimento elástico e resiliente Sikafloor®-330 foi aplicado à superfície do piso regularizado. Depois de seco, aplicou-se por cima um revestimento de superfície mate não amarelado Sikafloor®-304 W para resistência aos raios UV. A equipa das instalações está realmente satisfeita com o sistema de pavimento, comentando que “as pernas não se sentem cansadas após um dia de trabalho, realmente sente-se a elasticidade.”

O presidente da câmara da cidade realça que escolheram a madeira como material de construção, uma vez que tinham encontrado enormes problemas com a qualidade do ar no passado, e o ciclo de vida dos edifícios públicos de betão era muito curto (apenas 30-40 anos), agravado pelo facto de que as reparações não terem sido bem sucedidas.

timber_house5

A madeira equilibra eficazmente as condições de calor e de humidade internas. O material é ecológico, renovável e biodegradável. A madeira limpa natural reduz o stress, gera sentimentos positivos e tem efeitos de amortecimento do som. A escola começará para centenas de alunos neste Outono. Já existem rumores de que um grande número deles planeia estudar engenharia, porque estão tão felizes com seu novo ambiente que querem criar outros edifícios de madeira no futuro.

timber_house4

SENSAÇÃO DE FÉRIAS, DURANTE O ANO TODO

Uma casa de banho é mais do que apenas um quarto onde podemos tomar um duche ou escovar os dentes. É uma parte essencial da nossa casa, um espaço onde podemos relaxar e sentir-nos bem.

sikatop-seal2

Vantagens dos WET ROOM

O chamado WET ROOM é algo que está a tornar-se cada vez mais popular nos dias de hoje – uma casa de banho onde o chuveiro não é separado do resto do quarto de banho, com uma cabina de chuveiro aberta para o espaço restante, onde o espaço acaba por funcionar como uma zona de conforto.

Estes WET ROOM oferecem uma enorme variedade de benefícios. Não só parecem ultra elegantes e permitem simplesmente caminharmos directamente para a área do chuveiro; mas também são geralmente mais fáceis de limpar e, para além disso, acrescentam valor à sua casa.

Proteger a estrutura e impermeabilizar devidamente

Contudo, quando se considera um WET ROOM ou qualquer outra área húmida da casa, como casas de banho, cozinhas, lavandarias e especialmente piscinas, o factor chave é impermeabilizar devidamente os elementos e proteger toda a estrutura ou o edifício de qualquer entrada de água ou ruptura estrutural das bases. É imperativo considerar toda a estrutura – a base – como um sistema, desde a preparação do substrato até ao nivelamento, impermeabilização, colagem de cerâmica e selagem, e de diferentes componentes que necessitam de ser totalmente compatíveis, fáceis de aplicar e completamente fiáveis, de modo a conseguir os melhores resultados a longo prazo.

wet-room6jpg

Membranas de impermeabilização

Uma abordagem muito popular é usar sistemas e soluções com cerâmicos para acabamento/revestimento, uma vez que oferecem uma enorme escolha de cores e designs e são perfeitamente compatíveis com membranas de impermeabilização, tais como argamassas impermeabilizantes ou produtos à base de dispersões.

Reformular a casa de banho

Já pensou em reformular a sua casa de banho? Antes de decidir sobre um WET ROOM com determinados requisitos, regresse na sua mente a todos os hotéis que visitou na sua vida, porque os hotéis, muitas vezes reflectem o estilo mais recente. O que mais gostou? Seguidamente, mostramos alguns exemplos para inspirá-lo, destacando as áreas que exigem mais cuidados…

Primeira opção, Insula Alba, Grécia

Primeiro vamos ver o Insula Alba, na Grécia, que é o mais recente hotel de 5 estrelas a ser construído em Heraklion, Creta. É um luxuoso hotel balnear à beira-mar, com 140 quartos e suites, sete piscinas interiores e exteriores, restaurantes, bares de cocktails e um SPA, bem como áreas de estar e salões. O design do hotel extenso é tecnicamente exigente em áreas com cerâmicos. A escolha no design de azulejos, para as áreas interiores e exteriores, foi granito sintético e cerâmica feita à mão, especialmente fabricados para as piscinas.

Cerâmica colada para um tráfego elevado

As colas para cerâmicos em pavimentos de tráfego elevado (por exemplo, recepção e lounge) exigem suportar cargas pesadas. Para as superfícies submersas, os adesivos para azulejos precisam ter uma durabilidade superior em termos de resistência mecânica e química. Neste tipo de projecto, o factor estético também é um factor importante. Os cimentos para cerâmicos precisam ter alta resistência mecânica e química, com propriedades antibacterianas e com coloração duradoura, e precisam de ser duráveis à exposição da radiação UV e agentes de limpeza químicos. A textura de acabamento precisa atender aos mais altos padrões estéticos.

wet-room4jpg

Cores para todos os gostos

A Sika Grécia usou o SikaCeram®-203 Superbond como a cola adequada para cerâmicos para casas de banho, pavimentos interiores e terraços. Para as piscinas e áreas circundantes também foi escolhida a gama SikaCeram®. Os cimentos cola para a cerâmica eram de importância extrema. A ampla gama de cores disponíveis permitiu ao designer utilizar quatro cores diferentes, combinando diferentes cerâmicos.

Segunda opção – Tivat, Montenegro

Deixando a Grécia, visitamos agora Tivat, uma cidade costeira no Mar Adriático, em Montenegro. Situada na Baía de Kotor, Património Mundial da UNESCO, é famosa pela sua indústria de turismo emergente. Parte deste desenvolvimento é a marina nova e o desenvolvimento da zona em frente à água, com residências, apartamentos, bares e restaurantes. A construção das villas residenciais foi concluída em 2015 com uma área total de 3.000 m2.

Invernos chuvosos exigem impermeabilização extra

Tivat tem um clima quente e seco no verão. No entanto, durante o período de inverno poderá chover muito. Com estas condições, é necessária uma avaliação aprofundada dos requisitos de impermeabilização. O empreiteiro e o arquitecto solicitaram um sistema de impermeabilização completo e adequado para as piscinas, casas de banho e terraços. O desafio adicional foi a pressão de concluir o projecto num curto espaço de tempo.

wet-room3

Impermeabilização de piscinas, terraços e casas de banho

A Sika Sérvia ofereceu um sistema de impermeabilização completo e comprovado como a melhor maneira de cumprir o calendário apertado para este projecto. As piscinas, terraços e casas de banho foram impermeabilizadas com argamassas impermeabilizantes Sikalastic®, em combinação com as soluções de juntas para azulejos da Sika.

Terceira opção – Aranđelovac, Sérvia

Voltando às casas de banho, vamos agora para Aranđelovac, uma cidade na Sérvia, que está localizada a 75 km ao sul da capital Belgrado, que é famosa pelas suas nascentes de água mineral. Os espaços de SPA e de bem-estar do Hotel Izvor oferecem uma escolha ampla de piscinas e instalações de relaxamento. Quando o hotel existente era para ser remodelado, o empreiteiro e o arquitecto solicitaram um sistema de impermeabilização completo para as casas de banho, terraços e piscinas. A Sika Sérvia forneceu uma solução comprovada que incluía a impermeabilização de juntas, tubos, drenos e outras áreas relacionadas.

Impermeabilizado desde o início – é essencial

Desde o início, quer em WET ROOM, áreas em geral, ou piscinas, o essencial é considerar os produtos e materiais certos, para afastar a água e a manter “no seu lugar”.

Projecte seu próprio estilo

Será que se inspirou para ter um WET ROOM ? Comece por criar o seu próprio estilo – divirta-se, escolhendo azulejos e materiais, explore diferentes padrões e cores, e tenha sempre em mente a necessidade de uma impermeabilização adequada e eficaz. Será capaz de fechar os olhos, mergulhar na água e sentir, como se estivesse de férias, todos os dias do ano.